Esta foi uma submissão em um Game Design Challenge, e o original pode ser visto aqui.

Este projeto é um jogo de mistério que usa a realidade virtual para colocar o jogador dentro de um carro durante uma viagem ao redor do país com amigos.

O jogador é um detetive aposentado, que perdeu o movimento das pernas. A razão pela qual o jogador possui este passado é para aumentar a imersão do jogador, que jogará sentado, compartilhando esta limitação. Sua única forma de interação é olhar por aí: sua visão tem um cursor em seu centro, então se você olha em alguém, e se foca no menu de interação, você pode escolher o que quer conversar, se deseja realizar uma ação mais especifíca, como empurrar seu braço… Se você olha o rádio, você pode pedir para alguém colocar em uma estação específica, ou aumentar o volume ou não.

O começo do jogo é sobre conhecer as pessoas que, uma vez, foram seus amigos mais próximos. Você pode conversar sobre o cenário, sobre o tempo, sobre esportes, tudo depende do que você viu ou ouviu. Isso enfatiza que tudo depende das suas ações, se você prestou atenção no que alguém disse, você pode repetir isso depois, ou se ouviu no caso que o time da casa ganhou você pode comentar isso no carro.

Durante a viagem, pessoas começam a morrer de formas diferentes: algumas mortas por tiros, outras estranguladas, e você percebe que elas sofrem estes “estranhos” acidentes sempre nas cidades que vocês passaram a noite e, como um detetive aposentado, cabe a você determinar se há alguma chance de isso ser verdade.

Interagir com seus amigos é grande parte do jogo: se o Amigo A chegou atrasado, você pode perguntar a razão por trás disso, se algo aconteceu, e ele pode dizer que foi um problema no quarto. Então se você ouve ele comentando, algum tempo depois, que outra coisa aconteceu, você pode descobrir: ele está escondendo algo, então ele é um suspeito.

Quando você descobre a identidade do assassino, você precisa convencer seus outros amigos. O tempo que você passou com eles é importante para saber como trazer esses fatos: você não pode simplesmente chegar “Eu estou certo que o Amigo A é o assassino”, porque o Amigo B pode afirmar ser uma mentira porque estava comendo com ele quando a Vítima X morreu. Você precisa convencê-los usando os fatos que aprendeu: “mas aquela noite ele saiu do hotel, você lembra?”

Você também precisa saber como falar disso: se você for muito agressivo, alguém pode perguntar porque foi tão agressivo, e ignorar o que disse, embora se você tenha “apenas comentado” como era estranho ele ter saído do hotel naquela noite, ele pode considerar o que você disse, ganhando um possível aliado.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *