Esta ideia será maior que o usual, porque não planejo esperar alguns dias para, então, voltar a ela. Então, ao invés de deixá-la pequena, a farei maior, com a ideia do jogo, personagens e uma breve discussão.

Este jogo é sobre uma cidade e as pessoas que vivem nela: aqueles que seguem a lei, os que fazem o que querem e aquele que nem é humano.

O jogo é algo entre um jogo de ação mundo aberto e jogos episódicos voltados à história: imagino que o jogador terá acesso à diferentes personagens, cada um único em suas especialidades, e cada capítulo os atores principais mudam. Por exemplo, se seu personagem matou o prefeito, o próximo capítulo mostra a cidade reagindo ao crime, com pessoas exigindo uma nova eleição e outros explorando o vácuo no poder.

Isso gera um problema: quero que a cidade sempre mude, mas o jogador seja o que mais a muda. Então haverá personagens que podem explodir um prédio, e os próximos capítulos devem lidar com a explosão. Ao mesmo tempo, não é justo as coisas acontecem por si mesmas, só porque a trama exige. E se o jogador não causar a explosão, achando outra forma? Então a história principal deve acontecer sem a interação do jogador, ou com o que é obrigatório dele.

Sobre o elenco, imagino eles possuindo diferentes estilos de jogo, para lidar com suas personalidades. Abaixo, estão listados alguns dos personagens que o jogador controla, tentando o meu melhor para defini-los e o que eles fazem.

Johan Wolff: Um assassino profissional que faz as coisas como é pedido dele. Se alguém deseja alguém morto, eles o chamam. Mas ele segue um código muito específico de conduta: nunca matar uma criança ou alguém mais velho que 50, apenas em auto defesa, sempre dar cinquenta dólares para alguém importante para a vítima, e sempre saudar o alvo. Seu estilo de jogo não é de tiroteio, com balas voando: pelo contrário, a ideia é tomar seu tempo buscando oportunidades, e, com um rifle de franco atirador, precisar apenas de um tiro. Como um agente livre, ele pode interagir com outros personagens controlados pelo jogador, mas não possui uma grande história ao seu redor, ou um objetivo maior que o que foi pago para fazer.

Petra Smithson: Uma das detetives do Departamento de Polícia, mas ao invés de fazer o que é correto, prefere fazer do jeito mais eficiente, sem tomar muito cuidado com os criminosos. Como personagem, sua história é sobre seu objetivo de capturar os líderes do Grupo que está matando pessoas em grupos de sete. Seu jogo é sobre investigar pessoas, conversando em bares ou em cenas de crime, e atirar: sua moral é definida pelo jogador, se ela para suspeitos os matando, ela crescerá próxima à Máfia, mas se atirar no joelho, continuará crescendo no Departamento de Polícia. Sua história frequentemente se junta aos personagens do Grupo, ou da Família.

Sexton: O mais novo dos personagens controlados pelo jogador, é cego de um olho, e alguns dizem que é um pouco maluco. Ao invés de atirar, Sexton gosta de explodir coisas, com diferentes métodos: carros bomba, explosivos plásticos entregues pelo correio, lança foguetes… Seu jogo é sobre explodir coisas, andando pelo seu alvo, analisando a estrutura e escolhendo como destruí-la. Como um membro do Grupo, é capturado pela segunda ou terceira parte da história por Petra, e suas conversas mostram como este Grupo trabalha. Se houver uma continuação do jogo pós seu fim, ele não fará parte, pois sua função é explodir coisas, e se a história, ou a cidade, não se adapta às explosões, não é justo para os outros personagens se apenas ele não interagir com a cidade.

William Crawford: O único não-humano da cidade, trabalha para a Família como seu exército. Mais forte que qualquer um, e mais rápido, e quase invulnerável à balas, ele vai à algum lugar e é o único que sai vivo. Um comediante que gosta de rir da vida, e já viveu alguns séculos buscando alguém que possa pará-lo. Seu estilo de jogo é ação, onde você deve vencer todos que querem te matar. Como um dos membros mais importantes do Grupo, sua história se junta à todas relacionadas à ele.

Jessica: Uma motorista livre que trabalha para quem paga. Tem orgulho de seu carro, clássico, preparado para transportar pessoas importantes, sendo elas criminosas ou policiais. Seu jogo é sobre correr pela cidade, ou transportar pessoas: algumas vezes irá enfrentar outros agentes, e cabe à você destruir seus carros, ou escapar viva. Assim como Johan, não interage com muitos personagens, mas pode ser vista dirigindo pela cidade.

Com estes cinco personagens, e mais alguns para cada grande organização – a polícia, o grupo, a família e os agentes livres -, planejo mostrar como o jogo mudará, com estas ideias básicas e conversas: Petra pode descobrir que Sexton, e o Grupo, planejam explodir um restaurante da Família, e cabe a ela avisá-los, ou não, podendo encontrar William, e assim em diante.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *