Esta é uma expansão da primeira ideia descrita neste site.

Um problema da ideia original era a seleção de jogos: na época que a escrevi pela primeira vez, para o Game Career Guide, eu não sabia nada sobre Metal Gear Solid V. Mas agora, posso mudar um pouco a ideia original, para tornar este projeto, Lego Metal Gear Solid, uma história sobre Big Boss.

Excluindo Metal Gear Solid 4, e adicionando em seu lugar Metal Gear Solid V, mantendo a continuidade da série em um único jogo, há diversas pequenas conexões que podem ser feitas: soldados que você recrutou em Peace Walker podem aparecer em Phantom Pain, sua Mother Base ser a mesma em ambos os jogos, quando necessário, levando a ideia de que aquela é a “sua” Mother Base além do que Phantom Pain foi capaz de fazer.

Sobre o jogo em si, entretanto, eu não pretendo abordá-lo como um jogo de mundo aberto. A equipe por trás de Phantom Pain tinha seus motivos, e o jogo é incrível, mas prefiro uma abordagem menor que um mundo inteiro a ser explorado: eu removeria todas as missões não fundamentais para a trama, e criaria seções similares àquela utilizada em Ground Zeroes, e então deixo o jogador ter sua diversão, com os parceiros da IA ou no cooperativo online, cumprindo os objetivos na ordem certa. Então você voltaria, explorando-a com personagem que tem habilidades especiais, como uma visão melhor, ou serem capazes de abrir portas específicas.

Outro problema que vejo em Phantom Pain, para se tornar em um jogo Lego, é o seu tom. Tentaram fazer uma história de vingança, com um personagem sombrio, mas para mim não deu muito certo. Haveria mudanças neste jogo, para permiti-lo ser jogado por crianças mais velhas e adolescentes: ao invés de matar os soldados contaminados pelos parasitas das cordas vocais, eles seriam curados e enviados para um hospital em algum lugar, ao mesmo tempo mostrando porque não continuarão com o jogador, e mantendo a ideia de que estavam com problemas sérios. Os personagens também seriam mudados, para deixá-los mais semelhantes à um desenho animado – Skullface daria discursos ainda mais clichês, enquanto Huey lembraria, mais, um vilão tradicional, que mexe em seu bigode, buscando tornar a experiência menos séria e mais leve.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *