Este jogo é algo que estou interessado em continuar, no futuro.

A razão? Este é um jogo de aventura jogado em primeira pessoa. Aqui, você é uma Heroína sem nome, em uma cidade com vários super humanos, pessoas que podem usar magia, ou alienígenas ou robôs que devem exterminar alguém.

Muito deste jogo é sobre sua vida. Em primeira pessoa, para ajudar a imersão, você interage com seu grupo, as pessoas que sabem, ou não, de sua identidade secreta. Similar a outros jogos focados na história, grande parte dele é conversar com pessoas, simulando sua vida. Como você, uma web designer, lidaria em um mundo onde a pessoa ao seu lado pode ser capaz de destruir uma cidade? O que você pode pensar da polícia? Eles estão prontos para lidar com essas ameaças, se não conseguem lidar nem mesmo com criminosos comuns?

Quando você a Heroína, com seu uniforme, a câmera em primeira pessoa é usada para aumentar a brutalidade. Pode parecer estranho, em uma época os jogadores normalmente possuem total controle, mas a Heroína não se preocupa com direitos civis, se ela vê alguém roubando alguma coisa, eles vão sofrer, talvez alguns ossos quebrados, talvez mais, afinal, você tem uma força sobre humana. Você escolhe o que quer acertar, joelhos, mãos, ou até mesmo a cabeça, e a Heroína fará o golpe.

Eu quero que o jogador viva esse contraste, de alguém que é normal e chata, mas furiosa com o mundo quando sente a necessidade. Em primeira pessoa, você é capaz de experimentar mais. Eu quero que esta personagem tenha esses sentimentos, que se pergunte se faz a coisa certa, se fazer as coisas como ela faz hoje é o suficiente para salvar a cidade. E tentar manter as coisas como são, calmas no trabalho, e furiosas nas ruas.

E o motivo pela qual quero que ela seja uma web designer, é para interagir com os trolls. Realmente importa se você deixar a loja onde um cara que falou que você parecia uma vagabunda ser assaltada? E aquela petição para te levar para a lei? Nem todo mundo teria a coragem de deixá-los sofrer, e fazer o que querem: que a Heroína não se meta. Mas a personagem que penso faria isso, e cabe ao jogador decidir o que fazer. Enquanto ela pode ser uma babaca egocêntrica e egoísta, eu quero que o jogador seja capaz de pensar em maneiras de ajudá-la. Talvez não quebrando, tanto, as pessoas, ou tomar seu tempo com seus conhecidos para mostrar que a Heroína não é tão ruim, ou ainda manter a vida, exatamente como está.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *